espelhook

Esses dias uma modelo gringa estava no vestiário da academia e filmou uma moça se trocando, depois postou no snapchat. Ela fez isso porque a moça em questão era gorda. Então a tal modelo escreve o seguinte junto à imagem da gorda: “Se eu não posso ‘desver’ isso, vocês também não podem”. E isso foi postado no snapchat. Que tal?

Fiquei horrorizada no último grau quando li essa história (se quiser ler, clica aqui). Claro que expor a privacidade alheia já é o suficiente para deixar qualquer um em choque, mas não foi isso que me deixou assim perplexa. Foi o fato de que, realmente, a gordofobia ainda é algo aceitável por muita, muita gente. MUITA GENTE acha que tudo bem rir de quem é gorda.

Xingar quem é gorda.

E, mais que isso, entre as pessoas que sabem que não é legal tirar sarro de ninguém por nenhum motivo, ainda tem um povo que secretamente acha gente gorda horrível, acha que ser gordo é a pior coisa do mundo e acha que não tem como ser feliz, realizado ou bonito sendo gordo. Tem gente que tem dó de gordo.

Viu. Não entendo. Não vou entrar no mérito de saúde (mesmo porque a essa altura do campeonato todo mundo sabe que essa gordofobia nada tem a ver com isso – ninguém xinga a magra mesmo ela podendo ter transtornos alimentares – e, mesmo se tivesse, ninguém merece ser xingado por possíveis problemas de saúde, certo?), e nem no mérito da vontade da gorda. Sim, porque tem gorda que quer emagrecer por n motivos, mas também tem gorda que está se sentindo ótima e que quer permanecer assim, por mais absurdo que alguém possa achar.

O que quero dizer é: Entendam que ser gordo é igual ser magro. Não é digno de pena, não é feio, não é motivo de piada, de vergonha, de infelicidade. Nem sinônimo de auto estima baixa ou de preguiça. Achar gente gorda automaticamente feia significa apenas que você está seguindo cegamente os padrões impostos por gente que você não sabe nem quem é.

engracadona