39 anos

Hoje faço 39 anos. Trinta e nove. Nesse momento, sou um poço de clichés.

Pra onde foi o tempo?

Ainda me sinto uma menina.

Me olho no espelho e vejo uma menina de 20 anos ainda.

Não consigo nem reconhecer marcas de expressão no meu rosto quando olho no espelho, de verdade. Preciso ver uma foto, um vídeo, algo fora de mim, para poder entender que o tempo passou e eu tenho realmente a cara de uma mulher de 39 anos.

Não me sinto psicologicamente pronta para ser uma adulta. E faz 20 anos que sou uma adulta. Tem adulto hoje que não tinha nem nascido quando eu virei adulta. E fiz e faço tudo o que uma adulta deveria fazer – trabalho, pago minhas contas, crio meus filhos, cuido da minha casa, da minha vida, da minha família, sou responsável, sou feliz. Mas não. Não estou pronta.

Cinco anos atrás eu tinha vergonha de dizer minha idade. Achava que estava velha – como se ser velha fosse motivo de constrangimento, imagina, que bobagem. Hoje, não tenho a menor vergonha de exibir meus 39 anos. Nem me acho velha mais.

Olha que contradição, no entanto. Não me reconheço com 39 anos, ao mesmo tempo não me acho velha ao perceber que, sim, tenho 39 anos.

A passagem do tempo me intriga e me assusta. Me intriga por sua velocidade que muda. É verdade, a mais pura verdade, que quanto mais velho você fica, mais rápido parece que o tempo passa (cliché, cliché).

Só que eu achava que era meio assim: tá, você faz 30 anos, o tempo começa a acelerar, e corre na mesma velocidade pra sempre. Tipo constante. Mas não. Ele vai acelerando mais e mais e mais e nunca para de acelerar. Acho que a partir de hoje o resto da minha vida vai parecer que passou em cinco anos, mesmo se eu viver mais 40 anos.

Quarenta anos como se fossem cinco. Por isso que a passagem do tempo me assusta. Você achou que era porque acho que envelhecer é triste, ou feio? Imagina. Não tenho o menor medo de cabelo branco, de peito caído, de rugas. Tenho medo é de morrer, isso sim. Amo viver. Quero que a vida demore pra acabar.

Mas tenho só 39 anos. Sou menina. Falta muito. Tá sussa. Né?

Olha, sei lá. Só sei que estou pronta para fazer o tempo que vem pela frente ser tão sensacional quanto o que passou.

Obrigada, a vocês todos, por estarem aqui comigo. <3

Bora pra mais um ano.